terça-feira, 29 de outubro de 2013

Morrer está bem, mas sem passar frio!

Era a segunda semana que estava fora do meu país, do meu sossego. Tinha chegado numa quarta feira  à Irlanda do Norte e depois disso tinha trabalhado 7 turnos seguidos de 12 horas. Estava cansada mas contente por ter o meu primeiro dia de folga. A minha colega de casa no dia anterior tinha-me dito que me ia mostrar a pequena cidade em que vivíamos quando acordássemos. Tinha chorado quase todas as noites depois de lá chegar. Metade por culpa do choque de estar longe, outra metade por culpa do frio para o qual não estava preparada para sentir em pleno fim de Abril. Naquela noite não chorei. Aterrei na cama e dormi que nem um bebé.

Eram 10 da manhã, estava ainda a dormir e eis que acontece! BOOOOOOOM.......o maior estrondo que alguma vez ouvi. A minha cama tremeu, a minha janela vibrou, o meu coração parou. Estava na Irlanda do Norte. Rapidamente raciocinei que só poderia ser uma bomba. Naqueles pequenos largos segundos percebi que tinha chegado a minha hora. "Vou morrer. Vim eu de tão longe para morrer. Não queria morrer aqui, sozinha. Vou morrer!". Fechei os olhos, apertei nas minhas mãos os cobertores e esperei. Esperei que a morte me levasse. Não vi a minha vida a passar-me pelos olhos, como se diz. Pensei nos meus pais, como lhes ia custar. Pensei no meu namorado e na minha família e amigos. Pensei que ia ser um choque para todos e como ninguém ia estar preparado para esta notícia. Daqui não saio. Morro quentinha. Juro que pensei nisto. Morro quentinha. Morro quentinha.

BOOOOOOM.......segundo estrondo. Mais pequeno, mas claramente mais perto! Outra bomba? Não podia ser. Isto foi dentro de casa! Ouvi passos. Muitos passos. Não percebo!! Ouvi uma voz do outro lado da parede.

"Rita, o que é isto??"
Era a Sofia.
Não respondi. Não tive forças. Não me mexi. Queria morrer quentinha.

"Que é isto? Que é isto?"
A Sofia tinha sido bem mais inteligente que eu e ao som da primeira "bomba" saltou da cama e trancou a porta do quarto. O segundo estrondo era alguém a tentar entrar-lhe no quarto. Eu, como achei que trancar a porta não me ia safar duma bomba, bastou segundos para que a minha porta se abrisse. Era um polícia. Colete à prova de balas e de mão na arma. Um armário.

"Já estão a evacuar as casas? A bomba foi mesmo agora!"

"OUT! NOW!" Gritou o polícia.
Já não ouvia a Sofia.
Não me mexi. Não consegui. Não sabia mexer as pernas.

"OUUUUUUUT!"
Espera, este polícia não está aqui para me ajudar. Está zangado e mau! E tem a mão na pistola.

Muito a custo lá me saiu a primeira palavra: "what?". Naquele momento o meu inglês não dava para mais.

"Downstairs, now! GO!"
Consegui sair da cama, a tremer, mas já não era do frio.
Virei a esquina da porta do quarto e vi a Sofia. No chão, a chorar. Ela tinha o seu próprio polícia a gritar com ela. Eu tinha o meu.

"DOWNSTAIRS" gritavam. E outra vez. E outra vez.
Desci dois degraus. Mas já não consegui descer mais. As pernas falharam-me e bati com o traseiro no chão. Tinham de me dar dois segundos para pensar. Olhei de relance para a porta da entrada. Mas não a vi. Vi a estrada. E os carros. E a casa do vizinho da frente. A porta estava no chão, feita em bocados. E então tudo ficou mais claro na minha cabeça. Não havia bomba nenhuma, ninguém estava ali para nos ajudar e se não descermos estes polícias maus ainda sacam mesmo da arma.

Só aí reparei que estava lá outro polícia. Mas era mulher. Era loira, de olhar meigo e a única que não nos estava a tratar como se de assassinas nos tratassemos. Pediu por favor para não chorarmos mais, para termos calma e para descermos, que nos iam explicar tudo.

E assim foi. Descemos. Não queria acreditar quando vi o estado daquela casa. Rapidamente contei a quantidade de brutamontes que estavam na nossa sala. Eram 7 polícias, todos armados até aos dentes. Todos enormes. Sete. Para duas raparigas estrangeiras que não sabiam o que estava a passar. Rapidamente nos rodearam. Nós não falamos.

Estenderam-nos um papel cor de rosa. Era um mandato de busca. Que não era para nós, mas sim para o anterior inquilino.
Falaram mais um bocado, nós acalmamo-nos. Não andavam atrás de nós. Queriam outra pessoa. Um pequeno erro de calculo, digo eu. Erro esse que quase me mata mesmo, de ataque cardíaco.

Já mais relaxada e numa de tentar aliviar a tensão que se fazia sentir na sala, digo para os polícias:

"You could just knock. We would have opened."

Ao que o polícia responde, muito frio e cru:

"We don't knock."

Rita


PS: se estiverem a pensar na porta, esse foi exactamente o meu dilema quando comecei a ter algum raciocínio lógico. Olha agora vamos dormir sem porta?? Nada disso. Os senhores polícias de intervenção têm tanto de maus como de carpinteiros. Trocaram a pistola pelos martelos, e parafuso para aqui, martelada para acolá, tinhamos a porta no sítio. Toda amassadinha, mas no sítio. 

Vivi 4 longas semanas naquela casa.



Sem comentários: