quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Ela? Outra vez?

Sim, estou de volta. Porquê, não sei.
Desde a minha última mensagem muito mudou na minha vida. Sendo eu agora uma miúda emigrada, estava eu aqui na terra a passar umas férias, e ocorreu-se-me que em tempos tive um blog e lá vim eu cheirar e ler tudo que escrevi numa outra vida, que já parece tão distante.
Tão modesta que sou, dou por mim a ler e a rir-me feita tolinha das minhas próprias piadas de trazer por casa. Coisa digna de que lança os foguetes, faz a festa e apanha as canas.
O certo é que dei comigo a pensar que já não me lembro muito bem porque nunca mais me lembrei deste meu cantinho narcisista. E porra....quero voltar! Mais que não seja, de mim para mim!
 
Aquando do meu último texto estava convicta que iria continuar por cá assiduamente. Está visto que não! E passo a tentar elucidar-me porquê.
 
Emigrei. Primeiro facto (sim, continuo sem saber escrever sob as regras do acordo ortográfico. E não, não me dou ao trabalho de passar isto pelo corrector automático). Ora, quando saí de Portugal no dia histórico de 25 de Abril do ano passado fui para a Irlanda do Norte. Muito embora o País fosse lindíssimo e as pessoas simpatiquíssimas, bastou-me 8 meses para ter demasiadas histórias para contar. Mais do que qualquer pessoa desejaria. O facto de ter passado uns largos tempos sem internet e sem acesso à civilização em geral deixou-me assim, esquecida deste meu mundinho.
 
8 Meses passados disse basta. Não era bem aquilo que eu queria para mim e estava mais que na hora de mudar de rumo. E eis que estou há quase um ano em Inglaterra, numa cidade e num trabalho que me agrada, calminha da vida, e sem perspectivas futuras de voltar.
 
E antes que me comece para aqui a lamentar como é dura a vida do emigrante, e ai jesus que Portugal está pelas horas da morte, vou parar de escrever e ir ali aproveitar as minhas férias (qui ça comer um pastelito de nata ou dois), desta vez com a promessa de voltar e contar uma ou outra aventura que vou passando por terras de nossa majestade.
 
Até porque ontem foi o baptizado do Jorginho e eu ainda não me recompus da emoção.
 
;)
Rita




1 comentário:

Pedro Fonseca disse...

Pelo que li, de faCto foi um ano intenso a nível de experiências e emoções, mas acho que são essas mesmas coisas que nos fazem ganhar mais coragem de irmos atrás daquilo que queremos sem ficarmos presos na nossa redoma.
Boa sorte e força!